Por que um baú?

Bem, quem acompanha minha tentativa de escrever algo que seja bom ao leitor,vai poder voltar aqui, abrir o baú e ler, pensare espero eu que comente nos textos afinal, esse baú é para guardar pensamentos.
Deixe aqui o seu também.

sábado, 16 de janeiro de 2010

poema

Abrindo o peito, fraco
(Weverson Garcia)

Desculpe despencar assim,
Não sou guerreiro, nem forte aparento
da imagem de minha força fez-se o fim
sou imagem fraca, e não me agüento

Não agüento a sombra, tremo e me escondo
medo de ser menos, medo de ser mais
e que importa meu medo? Se do meu lado num te encontro
minha forma de ser tudo, as vezes é muito, mas

Ainda assim me prendo a vontade de ser melhor
fecho os olhos e tranco no peito as verdades
as vezes é melhor ficar mudo, pra ser maior
quando diz sem medo o que sentes

Eu já disse tanto, que até te apertou no canto
e assim, mesmo quente fez frio, eu sinto
e as vezes em lagrimas me veio em pranto

Sou menor, que era antes? Perdi o encanto?
foi pra eu bem, me diz ainda clama?
ou já se tem a certeza de quem ama?

Deixa, cala esse verso tolo, como eu
Eu falo e deixo escorrer, a amargurar
A verdade, eu te digo, do meu peito já rompeu

Não consigo me calar, não posso segurar
Eu, se ao invés de te falar, se prendesse em breu
Eu grito, é impossível esse tolo não te amar.

Um comentário:

C. disse...

Será que o maior medo é de não ter nunca a pessoa amada ao lado?