Por que um baú?

Bem, quem acompanha minha tentativa de escrever algo que seja bom ao leitor,vai poder voltar aqui, abrir o baú e ler, pensare espero eu que comente nos textos afinal, esse baú é para guardar pensamentos.
Deixe aqui o seu também.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Castelo

Construído ali a beira do mar, parecida que não tinha como durar muito, mas o tempo já ia e ele se mantinha ali, uma torre ou uma parede já estavam corroídas e comidas pelas ondas e a cada vez que uma outra vinha ele sentado um pouco atrás pensava se seria ela a onda que destruiria todo esse castelo.
O vento também desmontava lentamente o castelo de areia, e ele sorria com as pessoas que passavam a seu lado e admiravam, era bem feito, e até bonito, mas inóspito e abandonado, mas ele mantinha o sorriso no rosto, e como criança alheia ao tempo e a força das coisas, deixava uma onda a mais tocar a base de seu castelo.
Aluguem passa, e tira uma foto, e seu comentário o faz acordar para as ondas... “Parece algo velho... fadado a acabar” ele agora olha o castelo e as ondas e pensa... que um castelo é feito para durar, e mesmo sendo feito de areia na praia deveria durar mais, muito mais. Ele olha e estuda uma forma de manter ele mais tempo em pé, constrói muretas, valas.. mas a cada onda. Um muro a mais deve ser construído e uma vala a mais cavada...
Mas a maré sobe, e com o tempo as pessoas se amontoavam a sua volta e ele mesmo correndo de um lado a outro sorria e mostrava estar em contentamento com os fatos. A cada segundo a onda sobe, e uma ou duas muretas são destruídas... e por fim... as paredes do castelo e ele de pé ao lado vendo onda por onda destruir o castelo...sorri ainda mais, enquanto algumas pessoas choram ele se aproxima e diz..
Por que ta chorando? Dando mais água ao mar? Deixa. Se sorrir pode aproveitar as ultimas ondas do castelo e ele vai ficar ai, na sua lembrança pra sempre... ao menos as partes boas..
E a cada onda se ouvia agora um som suave de palmas. A cada onda ele sorria mais...
No fim com todo o castelo apagado pelas ondas ele respirou fundo e alguém la do fundo perguntou o nome do castelo... e se ele iria fazer outro no mesmo lugar...
E ele respondeu
Sim vou fazer um amanhã, igual a esse. E bem diferente ao mesmo ponto, na verdade nunca será igual, mas será feito com vontade... e o nome é sempre o mesmo... amor...
Amar é construir castelos de arei a beira do mar, a gente pode fazer com todo cuidado, mas um mar, um oceano de tempo pode até destruir, mas ali na areia ele via existir sempre e vai sempre poder ser reconstruindo... basta existir verdade... e vontade...e principalmente amor

Um comentário:

Devoradora e Cuspidora de Palavras disse...

Não sei pq mas me lembrou a historia da Bailarina e do Soldado de Chumbo, tem uma musica do Teatro Magico (bestinha, mas q eu gosto) que fala um pouco disso.
Mas o que mais gostei é que o cara tenta de todas as formas não deixar que aquele castelo se demorone, mas consegue aceitar que depois de todos os seus esforços ele acabou e assim tem espaço para mais um, sem nunca perder a vontade de amar, o que para mim é a vontade de VIVER.

"Nossa casinha pequena
Parece vazia sem o teu balé
Sem teu café requentado
Soldado de chumbo não fica de pé"