Por que um baú?

Bem, quem acompanha minha tentativa de escrever algo que seja bom ao leitor,vai poder voltar aqui, abrir o baú e ler, pensare espero eu que comente nos textos afinal, esse baú é para guardar pensamentos.
Deixe aqui o seu também.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Preso em uma lembrança

Deitou-se novamente, De que adiantaria ficar de pé? Nada o fazia relaxar e o frio em sua barriga era agora uma lembrança o que antes ardia no peito... as costas ardendo como se gelo estivesse ali a horas..
A coberta da noite agora parecia uma manta de aço que o prendia a uma realidade que ele não queria, não adiantava lutar contra, o tempo não era seu aliado nem mesmo o destino parecia ser agradável a ele. De olhos abertos ou fechados a imagem suave dela percorriam os cantos de sua memória e ele, agora respirava lentamente tentando se manter nesse mundo... e não nos sonhos...
- Você bem que podia vir aqui me ajudar não é? - Um arrepio sobe por sua coluna, e inclinando a cabeça e olhando para o banheiro a imagem suave dela penteando os cabelos e alisando com sua chapinha... ele suspira e se levanta... parando a porta..
- Você sabe que não sei fazer isso...
-Mas seria bom aprender, pra não ficar reclamando que eu me atraso sempre..
-Eu esperaria você para sempre... sabe disso.. – Nesse instante ele percebe que falou algo diferente.
-Mas se você me ajudar a gente sai na metade do tempo sem duvida.
Ignorando suas lembranças deixa seu peito falar...
- Sabe, queria que estivesse aqui, muitas e muitas vezes imaginei as conversar que gostaria de ter com você, mas você não esta aqui... e nem falar com você eu consigo... não consigo ouvir sua voz, olhar seus olhos... afundar minha mão em seus cabelos... que mesmo você não concordando... são os cachos mais lindos que já tive o prazer de tocar... e esses pelinhos revoltos em sua nuca... me apaixonei por eles você sabe disso... já te disse inúmeras vezes... quando dormia a meu lado...
- Ta bom ao menos me passa o creme?
- Tu é linda sabia? E eu ainda te amo...
- Obrigado seu bobinho neurótico.
- Eu adorava quando me chamava assim...
-Vai ficar ai me olhando? Sem falar nada?
- Te amo
- Eu também te adoro...
Ela se vira... ele toca suavemente a nuca dela.. enquanto ela desaparece...
- É Pequena... eu te amo...
“eu também te adoro....” ele repete em sua mente...
E um fio de cabelo ruivo ainda brilha no pente...

2 comentários:

Bárbara Reis disse...

Adorei,verdadeiramente. Achei de uma sensibilidade incrível

Heat disse...

Rá, eu nao sou ruiva e nem tenho cabelos cacheados

cof cooof coooof

Muito lindo!!

Lindo mesmo!!