Por que um baú?

Bem, quem acompanha minha tentativa de escrever algo que seja bom ao leitor,vai poder voltar aqui, abrir o baú e ler, pensare espero eu que comente nos textos afinal, esse baú é para guardar pensamentos.
Deixe aqui o seu também.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Café ou chocolate?

O som dos talheres foi tão baixo que mal pode ser ouvido mas ele acordou e girando o corpo na cama pode ver no fim do corredor ela indo de um lado ao outro fazendo o café, e afundando o rosto no travesseiro, mas por prazer do que por sono sorriu como a muito não sorria... era manhã um outro dia... e ele sentiu-se mais feliz.
Ela lutava para fazer o mínimo de barulho possível, a cozinha era completamente desconhecida, a casa dele, a cozinha dele mas o café da manhã era dela, sorria sem entender o motivo, mas no fundo era feliz por isso.
Pão, café, chocolate, leite, biscoito e geléia, tudo ali, a bandeja feita, ela sorri uma vez mais e se vira... ele de pé encostado na porta sorrindo e ela suspirando diz.
- Poxa eu ia fazer uma surpresa...
-E quem disse que não fez?
-Como? Você já esta acordado, e viu o que ia levar pra você.
-Surpresa maior foi acordar e perceber que você não foi sonho.
Ela sorri sem jeito,coloca o cabelo por trás da orelha e inclinando a cabeça diz.
- Vamos tomar café?
ele sorri, esticando a mão para segurar a bandeja mas ela diz antes que ele a pegue.
-Volta pra cama... vamos fingir que você não acordou ainda.
-Ok eu volto, mas se eu voltar e acordar de novo... e você não estiver mais aqui como faço?
- Eu vou estar aqui.
-E se não estiver?
-Bem... volte a sonhar, ai a gente se encontra de certo.
Ele se deita, fecha os olhos e atento aos sons a sua volta sente um beijo suave na testa ele abre os olhos e ela apoiada na cama olhando para ele com seus lindo e profundos olhos castanhos sorri dizendo.

Bom dia amor, café ou chocolate?

E ele sorrindo responde...

Bom dia amor... sempre.

O dia passou, e todas as horas foram assim, com olhos sorrindo e lábios inda mais felizes... mas o que esta mais feliz eram os corações que agora quietos batiam calmamente no ritmo suave de uma manhã qualquer.

Nenhum comentário: