Por que um baú?

Bem, quem acompanha minha tentativa de escrever algo que seja bom ao leitor,vai poder voltar aqui, abrir o baú e ler, pensare espero eu que comente nos textos afinal, esse baú é para guardar pensamentos.
Deixe aqui o seu também.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

MUNDO GRANDE

Carlos Drummond de Andrade


Não, meu coração não é maior que o mundo.
É muito menor.
Nele não cabem nem as minhas dores.
Por isso gosto tanto de me contar.
Por isso me dispo,
por isso me grito,
por isso freqüento os jornais, me exponho
cruamente nas livrarias:preciso de todos.

Sim, meu coração é muito pequeno.
Só agora vejo que nele não cabem os homens.
Os homens estão cá fora, estão na rua.
A rua é enorme. Maior, muito maior do que eu esperava.
Mas também a rua não cabe todos os homens.
A rua é menor que o mundo.
O mundo é grande.

Tu sabes como é grande o mundo.
Conheces os navios que levam petróleo e livros,
carne e algodão.
Viste as diferentes cores dos homens,
as diferentes dores dos homens,
sabes como é difícil sofrer tudo isso, amontoar tudo isso
num só peito de homem...sem que ele estale.

Fecha os olhos e esquece.
Escuta a água nos vidros,
tão calma. Não anuncia nada.
Entretanto escorre nas mãos,
tão calma! Vai inundando tudo...

Renascerão as cidades submersas?
Os homens submersos-voltarão?
Meu coração não sabe.
Estúpido, ridículo e frágil é meu coração.
Só agora descubro
como é triste ignorar certas coisas.
(Na solidão de indivíduo
desaprendi a linguagem
com que homens se comunicam).

Outrora escutei os anjos,
as sonatas, os poemas, as confissões patéticas.
Nunca escutei voz de gente.
Em verdade sou muito pobre.

Outrora viajei
países imaginários, fáceis de habitar,
ilhas sem problemas, não obstante
exaustivas e convocando ao suicídio.

Meus amigos foram às ilhas.
Ilhas perdem o homem.
Entretanto alguns se salvaram e
trouxeram a notícia
que o mundo, o grande mundo está
crescendo todos os dias,
entre o fogo e o amor.

Então, meu coração também pode crescer.
Entre o amor e o fogo,
entre a vida e o fogo,
meu coração cresce dez metros e explode.
-ó, vida futura! Nós te criaremos.

Grosseria

EU tenho medo de como eu tenho me sentido ultimamente. uma estranha bipolaridade uma constante vontade de dizer umas verdades na face de algumas pessoas e a certeza que aos berros me cala, a certeza de que não adianta dizer nada... que não tem verdade suficiente a ser dita que mude a ignorância... não a ignorância de não saber, essa muda com o fato de ser apresentado a um fato ou ato... mas a ignorância tola de agir sempre da mesma forma por um único motivo...
Comodismo...
A como eu gostaria de ver umas tantas pessoas rasgando a cara e arrancando a mascara comoda de agir "igual" aos demais e perceberem , não nos outros, mas nelas mesmas um mundo de possibilidades que vão além do que elas supunham...

Mas ai... ai me vem a parte que é complacente, que entende que me obriga em gritos a me calar... e sorrir... como um playmobil. O asco que sinto de algumas falsidades, de algumas atitudes "comuns" no dia a dia tem se tornado cada dia maior... e eu pergunto, no canto sozinho, por que se perguntar em voz alta e no meio de todos sou visto como louco, como "bruto e rude" eu me pergunto.
Será que esse era realmente o espermatozóde mais apto !?
Será que os outros 65 milhões não seriam uma combinação melhor?

A verdade.. é que me da nojo... certamente me da nojo... e penso que se eu um dia vier a encontrar novamente com esse tipo de gente vou acabar dizendo em voz alta... na frente de quem for...

"Rapaz... Por um azar sem limites do mundo tu não foi uma punheta no banheiro"

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

DESDE SEMPRE.

Ela estranhou quando ele abaixou a cabeça com os sangrando lagrimas, ele sempre fora um homem que pouco ou nunca demonstrava seus sentimentos, para se tirar um sorriso dele, mesmo que um pequeno sorriso de canto era preciso uma enxurrada de brincadeiras e piadas, e mesmo assim um sorriso simples surgia na face simples de mármore.
Mas agora ali, a frente dela, ela com as bolsas aos pés e já com a decisão tomada de partir, e ele sentado apoiando o rosto nas mãos deixava os olhos falarem de forma liquida seus sentimentos, por um instante ela pensa em tocar os cabelos negros dele mas apenas se permite dizer um...
- É melhor assim.
- ...
- E eu acho que não fiz muita diferença pra você... é melhor eu ir.
- ... Sabe... você não percebeu mas fez toda diferença...
- Como!? Nunca vi isso... nunca mesmo.
- Eu não vou dizer que sou uma pessoa melhor quando você esta comigo, é besteira de mais dizer isso, mas é verdade, você me faz ser melhor em quando esta e quando não esta do meu lado, em pequenas coisas... por que eu não posso deixar de tentar ser melhor... Toda noite quando fecho os olhos e te vejo se alinhando nos lençóis eu me cobro ser melhor no dia seguinte, me esforço para conseguir isso... e quando abro os olhos e te vejo ali... deitada... ou se espreguiçando eu sei que nunca vou ser melhor... nem o bastante... mas eu tento todo dia ser apenas merecedor de ter você ali uma noite a mais...uma hora a mais... um segundo a mais...
-...
- Eu sei... nunca te disse isso, nunca sentei do teu lado para ver filmes românticos, nunca li poemas ou escrevi nada meloso pra ti... nunca fiz declarações nem te dei presentes em motivos... porra eu até esqueci muitas vezes os dias importantes, as datas... não tenho “a nossa musica” nem sei te dizer o momento mais marcante...
-....
- isso por que pra mim todos os dias são especiais, por que eu não achei poesia que explicasse isso, por que não tem palavra no mundo que me faça pensar que é o bastante, por que presentes sem motivos só seriam lembranças fracas do que você é, por que todas as musicas na verdade me lembram você então todas elas são “nossas musicas”... e todos os momentos são marcantes...
- Até “minha eguinha pocotó”? – Pergunto ela ajoelhando-se a frente dele com os olhos vermelhos
- Principalmente essa... – Respondeu ele tocando os cabelos dela com as pontas dos dedos – Você faz toda diferença pra mim... por que sem você... nada faz sentido... eu não faço sentido...
-...
- Não vai... fica... casa comigo de novo!?
-... caso....
- E casa comigo de novo, de novo.. e de novo... todos os dias....

O sol iluminava as bolsas no chão enquanto eles se olhavam como se nunca tivessem se olhado antes... e se amassem desde sempre.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Guizos

Estranho esse mundo que a gente vive... a tempos eu venho tentando controlar um sentimento que não pode ser solto, não .. não é algo ruim nem chato, é só um amor que não pode acontecer.
Sabe aqueles brinquedos que tem algo dentro? Uma bolinha um guizo que faz barulho quando você mexe? Pois é meu peito é assim por conta desse romance, desse amor, eu fico no meu canto e ele para de fazer barulho, para de me lembrar que ele existe e eu até posso pensar que alguém pode entrar e tomar um lugar, mas ai exatamente como um guizo é chacoalhado e pronto ele toma conta de tudo com a força de um som, não é visível não pode ser tocado... mas existe e esta ali...
Esses dias eu tenho tentado dominar isso, impedir que esse sentimento continue a existir dessa forma, não nego que gosto de saber e sentir certas coisas mas é estranho quando ele não tem por onde sair...
Esses dias em uma conversa com um amigo eu comparei o amor como uma fornalha que derrama um aço quente, e eu tenho essa fornalha em super ativada, e como não posso soltar, não tenho a quem aquecer com ela... eu acabo me super aquecendo e explodindo por dentro...
Mas, a umas semanas eu pensava que tinha dominado, que esse reator em meu peito não corria mais riscos de explodir e destruir a vida de qualquer outra pessoa, ou fazer mal a quem eu amo, achava que tinha controlado isso, mesmo que vez por outra sentado no sofá, ou deitado na cama o calor do meu peito me fizesse suar pelos olhos... eu ainda acreditava que tinha vencido... que estava tudo sobre controle.
Mas ai hoje como que enviado por uma força maior, algo assim quase divino, por que sei que o que sinto é forte e não pode ser posto de lado, não pode ser esquecido ou apagado, alguém veio sentou-se a meu lado e tocou Roupa nova, umas tantas musicas que me fizeram lembrar de cada detalhe que vive ao lado dela, de cada gesto cada som, cada cor...
E eu pude perceber que não adianta... quando o amor é verdadeiro, tempo, distancia ausência... seja o que for... nada impede ou controla...
Posso conviver com esses guizos sempre explodindo em meus ouvidos a mensagem de que perdi, que ela se foi, mas nunca poderia viver sem a certeza de que amo alguém dessa forma...
Então deixem os guizos, eles sempre me farão companhia....

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

História Real

Hoje eu faço uma pausa em minhas histórias e contos, meus relatos tortos de um romance fantasiado, e por que não dizer fantasioso, para escrever um pouco sobre a verdade. sobre um romance, não sei eu se era intenso o tempo todo, se foi fácil ou não viver, sei apenas que a gente geralmente pensa em amor, aqueles fortes não pela história toda, mas como termina.

Romeu e Julieta é um exemplo, romances proibidos nós vemos o tempo todo nas novela das 7, mas um romance proibido onde o amor vence até mesmo a vida a gente não encontra a toda hora.
Eu admito que tenho em mim um grande sentimento por uma determinada pessoa, e nunca tive vergonha de assumir isso, mesmo não tendo contato com ela a tempos eu ainda sinto algo forte.

Bem hoje eu vou postar não um texto fictício mas algo real uma noticia que me fez parar o dia para enxugar um veio de lagrimas que teimavam em sair de meus olhos.

Casados há 72 anos, americanos morrem de mãos dadas

Um casal de idosos casados há 72 anos morreu de mãos dadas nesta quarta-feira, 19, em Des Moines, cidade do Estado americano de Iowa, informa o site do grupo MSNBC. Os dois americanos haviam sofrido um acidente de carro no último dia 12.

Casal acreditava em casamento 'até que a morte os separasse', disse filho
Norma Stock, 90, e Gordon Yeager, 94, morreram de mãos dadas na unidade de tratamento intensivo do hospital, disse um dos quatro filhos do casal. O intervalo de morte entre os dois foi de apenas 70 minutos. "Eles acreditavam no casamento 'até que a morte os separasse'", disse Dennis Yeagar.

O filho do casal afirmou à televisão local que seus pais nunca gostaram de ficar separados desde o casamento - em 26 de maio de 1939. A família, porém, ficou feliz em saber que os dois passaram seus últimos momentos juntos. "Eles foram colocados no mesmo quarto de tratamento intensivo e estavam de mãos dadas", disse Dennis.

Gordon morreu às 15h38 locais, cercado pelos parentes. Ele havia parado de respirar, mas o monitor mostrava batimentos cardíacos. A enfermeira responsável pelo casal, porém, explicou aos filhos que a pulsação do coração de Norma refletia no corpo do marido, justamente pelo fato de estarem de mãos dadas. Pouco mais de uma hora depois, a americana não resistiu.

"Nenhum dos dois ia querer ter ficado sem o outro. Não consigo pensar se isso aconteceria", disse Donna, outra filha do casal. "Honestamente, fomos abençoados que eles puderam partir desta forma", completou.


Depois de ler isso eu pensei...
"que diabos é uma vida sem um amor verdadeiro? de certo esses dois estão agora de mãos dadas em algum lugar, olhando de cima quem eles antes olhavam nos olhos."

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Trilha sonora

Ela nem queria estar ali, nada parecia ser certo, mas mesmo assim ela tirou os sapatos e pisou na areia que estranhamente ainda estava morna, mesmo o dia já se ido a um tempo, ao longe uma duas ou 3 fogueira e umas pessoas gritando e rindo, ela se aproxima sorrindo, respondendo educadamente os acenos com a cabeça, e cominha até o único rostos conhecido, uma amiga com uma taça de vinho na mão de pé a vê e acena alegremente.
O som suave e sem ritmo das ondas chocando-se nas pedras e areia eram um convite a introspecção, mas ela logo ao abraçar sua amiga acabou esquecendo o desejo de sentar-se em um canto qualquer e apenas penar na vida, uma voz forte, e rouca cantava não muito longe dali começava a cantar Creed - “With Arms Wide Open” e ela se encantou, aproximou-se do grupo e mesmo estando afastados da fogueira o rapaz sentado na areia com um violão surrado parecia iluminado pelos olhos brilhantemente apaixonados das meninas a sua volta, as atrás dela pareciam cada vez mais distantes como se estivessem se afastando, e logo se ouvia apenas o jovem rapaz tocando, e cantando com sua voz rouca e pesada, os cabelos longos cobrindo o rosto, ela conhecia o rapaz, mas a voz... ele só usava essa voz quando falava com alguém desconhecido no telefone, ou um assunto serio... e agora ela sabia mais um lugar onde ele usava a voz... enquanto cantava.
Logo depois do ultimo acorde ele balançou a cabeça e emendou direto com Pearl Jam “ Alive” ela podia jurar que até mesmo as ondas estavam silenciosas ouvindo ele cantar “Son, she said, have I got a little story for you What you thought was your daddy was nothin' but a...” e todos que ali estavam balançavam as cabeças em um mesmo ritmo, a platéia se comportava com se estivesse em um show de rock com milhares de pessoas as meninas a seu lado iluminavam com os holofotes de desejos e admiração que derramavam por seus olhos e ele apenas ali tocando mais um acorde e outro, por fim... olhou a volta e disse com sua voz comum e suave.
- E ai? Oque querem ouvir?
Ela, la do fundo disse
- Even Flow.
Ele buscou a origem da voz no grupo e reconheceu os olhos inesquecíveis, e um sorriso fugiu de seus lábios para o canto de sua boca e então disse
-Eu Canto essa sim, mas você tem que cantar uma outra pra mim... uma troca o que acha, eu não aceito não como resposta, e então o que diz?
Ela calou-se... ruborizou-se a ponto da taça de vinho em sua mão parecer pálida, ele sorriu uma vez mais e disse
Enquanto ela pensa... vou cantar uma outra,
Dedilhando os acordes iniciais fez com que ela se arrepiasse e logo a voz dele começou
- Alone... Listless breakfast table in na otherwise empyt room”
Ela sabia... ela conhecia e adorava a musica
Agora era visível o silencio no ar sendo cortado apenas pelas notas vindas do violão surrado, da voz suave, rouca e forte, e do ritmo acelerado em seu peito...
Antes mesmo da ultima nota ter sido tocada ele já começou a cantar os versos de Even Flow e no fim da musica olhando ela nos olhos disse.
- Agora cante comigo... – E começou a tocar... – Eu começo...
- Waitin´, watchin´the clock, it´s four o´clock, it´s got to stop…
E logo ela começou a cantar ... e juntos cantavam um dueto singular de “better man”
E quem quer que passasse ali na praia aquele momento tinha a nítida impressão de que as ondas mudas chocavam-se nas rochas não por uma ação da maré, mas por que queriam ouvir também os acordes e a voz suave e rouca do jovem acompanhado pela voz dela...
No fim os ele pois o violão nas mãos de um outro jovem, e levantou-se caminhou até ela, caminhando ao lado dela na areia puderam então voltar a ouvir o som das ondas os risos e gritos atrás deles e ela disse primeiro.
-Nunca pensei que te veria por aqui!... confesso foi uma surpresa agradável.
- Sem duvida... melhor Para mim, Como esta a vida?
- Igual... e a sua?
-... vazia, mas o que posso fazer né? É o que me resta...
A conversa acaba se desenvolvendo e logo estão os dois sentados um pouco distante do som dos risos e gritos apenas cercados apenas pelo som das ondas quebrando na areia a sua frente. E novamente ela diz
- Eu queria ter coragem de te fazer uma pergunta... mas tenho medo.
-... Medo de que? Faz... o Maximo que pode acontecer é eu não responder.
- ... Como esta seu coração!?
-... como sempre... batendo no peito e apanhando na vida.
-... Namorando?
- Não depois de você...
- ... Como Assim!?
- Não me envolvi de verdade com mais ninguém depois de você.
- ... é eu tinha medo disso... E por que? Todas as meninas lá no luau estavam loucas por você dava pra ver nos olhos dela.
- É eu sei... mas elas querem apenas aquilo, aquela voz, aquele cara tocando violão, o cara aqui de dentro... ninguém conhece de verdade e nem quer.
- Eu Conheço.
- E não quis...
- ...
-Desculpe... eu falo de mais...
- Você fala o que tem vontade... não esta errado nisso... eu que não estava preparada para ouvir uma verdade assim, mas você me entende né?
- Eu aceito... entender acho que nunca vou entender...
- ... Desculpe...
Um silencio frio os separou por alguns minutos em fim ele disse
-Sabe, que eu gostaria?
- O que?
- Que mais alguém no mundo amasse alguém como eu amo você e esse amor fosse correspondido, assim eu poderia ver como é bonito e como seria bom viver ele.
- ... E você acha isso bom?
- Não sei se é bom... mas também eu sei que é impossível alguém te amar como eu amo... por que nem eu mesmo sei explicar como é o que sinto por você...
- Para.... você sabe... não da... não misture tudo...
-Não... eu não misturo... só to te dizendo a verdade... ninguém vai te amar assim, feliz por te ver feliz mesmo que não seja com ele... e infeliz por ter um desejo a certo ponto errado...
- ...
-...
O Sol surgia por entre as montanhas enquanto eles voltavam para as risadas e gritos dos jovens... mas eles traziam no peito um silencio ensurdecedor.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

O pior de tudo não é a falta que faz e sim o que sua falta faz...
A imaginação vai a mil... e um futuro imaginado nem sempre é um futuro bom...
em fim
saudades é uma merda.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

por que?

- Por que eu devo te esquece!? Me diz de verdade por que eu devo fazer isso?, você pode me apontar inúmeros motivos para isso, as vezes que chorei por algo que disse, ou por todas as vezes que fiquei em um canto pensando se viria e não veio... Eu sei... é claro que eu sei de todos os erros, defeitos e falhas, na verdade, eu não sei todos, sei apenas os que consegui ver, mas... e daí? Por que eu devo te esquecer?
O jovem de costas para o quarto repetia isso inúmeras vezes com a cabeça baixa olhando pelas frestas da janela, e por fim disse uma vez mais, e outra um que saiu de sua garganta como um grito e trouxe junto as lagrimas em sua voz.
- Por que eu devo te esquecer? Me diz logo por que eu realmente não acho motivo para isso, e por mais que eu pense que deva te esquecer, e até tenha tentado tantas vezes... eu não vejo como... me diz... me fala como te esquecer, e por que fazer isso... vai me dizer que é por que eu nunca seria feliz com você? por que você tem um jeito forte?
Ele perguntou e o silencio ecoou no quarto uma vez mais... e mais uma vez ele suspirou fundo e disse.
- Bem... não tem nada que diga mesmo que me faça esquecer você, eu poderia te esquecer por tudo que você já me disse e me fez mal, mas as horas que simplesmente não disse nada apenas me olhou e me tocou os cabelos me fazem lembrar de ti ainda mais, eu poderia te esquecer todas as vezes que eu fiquei te esperando e não veio, mas toda vez que me lembro as vezes que você apareceu... eu não consigo que esquecer... Eu poderia te esquecer por seus erros seus defeitos... mas como? Se são eles que te fazem ser essa mulher que eu tanto admiro... amo... eu amo não apenas suas qualidades, mas também os seus defeitos...
- eu não te esqueço por que nunca achei motivo para isso, mesmo que eu procure, ou invente um monte... existe sempre algo mais forte que me faz nunca te esquecer... eu não te esqueço por que eu não lembro de você... eu SOU você... toda vez que me olho no espelho eu não me vejo... eu vejo na verdade a sua falta... eu só posso dizer que todas as vezes que ouvir seus suspiros todas as vezes que te olhar calada sentada mexendo em seu cabelo eu vou estar do seu lado só por que eu não consigo te esquecer... não... na verdade não é esse o motivo...
-Eu nunca vou te esquecer por que eu te amo... apenas isso...
O jovem então vira para o quarto... e olhando para a cama vê somente um bilhete que já fora lido tantas e tantas vezes nos últimos anos... “é melhor você me esquecer... A minha vida segue outro rumo... “ e os lençóis remexidos, a casa vazia , ela se foi... e ele... ele continua sem saber como fazer para se esquecer

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Frases

Entenda que, quem te ama de verdade, ama até os seus defeitos.

Na vida a gente tem duas escolhas
1 - Ser comum, como todo mundo a sua volta
2 - Fazer a diferença e ser exemplo a todos a sua volta.
Escolha a segunda, assim a gente pode criar um mundo de Exemplos e ser comum passa a não ser tão ruim.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Umas quadras a pé

O telefone tocou uma, duas, três vezes até que ele finalmente conseguisse atender.
- Alo.
- Oi... sou eu tudo bem?
- Oi... – disse sem esconder a surpresa.
- Tudo bem? – disse ela com a voz em duvida se tinha feito a coisa certa.
- Sim ... sim tudo bem eu só não esperava... digo não imaginava que tu fosse me ligar.
-A nem eu, mas liguei, fiz mal?
- Não, nunca.
- Então o que tem feito de bom?
- Olha... o de sempre, e você?
- Trabalhando muito, ainda terminando meus estudos, me dedicando sabe?
-Sei, você faz bem, fico feliz por isso, mas desculpe perguntar, por que me ligou hoje? Depois de tanto tempo?
-Sei la... deu vontade de falar com você
-Eu pensei muitas vezes em te ligar.. mas nunca tive coragem... sei la tinha medo de você não querer falar comigo.
- Nha... então esses dia, eu acho, que te vi na rua.
-E por que não falou comigo?
-Eu estava no ônibus, e acho que era você não tenho certeza.
- É... eu tenho andado muitos quarteirões por sua causa.
-COMO ASSIM?
-Eu sempre que acho que é você na rua eu desço do ônibus para ter certeza.mas nunca é.
- Você é louco, por que continua fazendo isso?
- Por que eu espero que na próxima seja...
-É somos diferentes nisso, eu já teria desistido.
- Eu nunca desisto do que vale a pena.
-nha bobo, me fala... o tem que ter alguma novidade, me conta?
-Não tenho novidades... continua tudo igual
-Poxa... pensei que tivesse um monte de coisas pra me contar.
- Nada... só trabalho, me aperfeiçoando, aprofundando na minha área... nada de diferente, e você? desde de...
- de?
-Você sabe.... o que tem feito
- Desculpe...Eu acho que não devia ter ligado... desculpe por te fazer mal?
- Hey... você não fez mal... a sua falta faz... você nunca.
-... Você sempre sabe fazer eu me sentir menos mal com o que você fala...
-Que bom... ao menos acerto em algo né?
-Bobo... você acerta muito... mas você sabe... eu tinha que tentar né?
- Sim eu sei.. é seu sonho, não te critico por nada... tudo aconteceu por vontade, é bom que seja assim. Você sabe que ainda gosto de você, que é importante pra mim não é?
- ... É eu sei... eu queria que tudo fosse diferente entre a gente... Mas você sabe....não deu.
-É Eu sei... é seu sonho de criança.
-É mas eu queria que fosse diferente... tudo... que tudo fosse diferente.
-É essa é mais um diferença entre a gente.
-Qual? Não entendi, eu querer que fosse diferente?
- É você quer que seja diferente, e eu daria tudo para que fosse igual... que nunca tivesse mudado, que nem um sonho pudesse mudar aquilo...
- ... E mudou muito?
- O que?
- o sonho mudou muita coisa em você?
- Não... em mim continua a mesma coisa... mas é apenas impossível de acontecer de novo.
-... agora você disse algo que me deixou mal.
- Desculpe... talvez essa seja mais uma diferença
-O que?
-Você se sente mal em saber que eu te amo, e eu me sinto mal por não saber se você me ama...

Depois de um breve momento de silencio os dois voltam a falar sobre amenidades, sobre filmes, musicas e seriados... e depois de um bom tempo os dois foram se deitar... cada um pensando nas diferenças e semelhanças entre eles... mas enquanto um sorria e alinhava-se em sua cama feliz por ter tido a conversa, o outro se cobria em pensamentos e duvidas. Um sonho pode realmente afastar algo tão real como aquilo?
A manhã chega e nenhuma resposta é encontrada... apenas a certeza que uns quarteirões a mais podem ser andados a pé movidos por uma esperança... ou sonho.

domingo, 2 de outubro de 2011

Pedágios

Ela entrou no carro e apertou o cinto, assim que ligou o aparelho de som ligou e o som de The smiths ´Unloveable” começou a preencher o vazio do carro. Ela sorriu e ao conferir os documentos do carro encontrou um pequeno bilhete dele.
“Bom dia, desculpe fazer isso deixar essa musica para tocar assim de manhã mas é que eu me sentia assim sem você, um completo e total ser que nunca seria amado”
Ela fechou os olhos, e sorriu, era comum dele deixar bilhetinhos espalhados pela casa para que ela os encontrasse a qualquer momento do dia, certa vez encontrou um dento do congelador “Só você pode aquecer meu peito, antes ele era um gelo , te amo” e hoje esse bilhetinho e a musica... é ela sabia que era verdade.
Ela acertou o espelho retrovisor e saiu da garagem, tomando o caminho que tomava de costume, logo a frente o sinal fechou-se e ela parou, a sua frente um grupo de jovens estendeu uma faixa e nela os dizeres.
“ Não importa quantas vezes eu te diga, sei que não vai acreditar em mim, mas eu sempre vou tentar... Princesa... eu te amo” um dos jovens caminho até o carro dela bateu com o no dos dedos no Vidor ela baixou e ele disse.
- A gente pode passar a vida toda sem amar de verdade uma pessoa, mas quando ama, é ai que a vida faz sentido, Estas rosas são apenas o primeiro passo, não se apresse assim como na vida se a gente correr muito a gente deixa de ver tudo que é importante. – Disse isso entregando a ela um buque de flores e um pequeno bilhete.
“Espero que ainda esteja ouvindo o cd que eu coloquei em seu radio, a próxima musica é muito importante pra mim... Te amo princesa...”
E logo os acordes de “Apenas mais uma de Amor” tomaram conta do carro e ela teve que segurar um pouco o choro... eles costumavam cantar versos dessa musica um para o outro algum tempo atrás, o sinal logo tornou-se verde e ela foi... atenta as musicas que tocavam no cd e a tudo a sua volta.
Mais a frente uma menina de pé a beira da rua segurando uma plaquinha com os dizeres “Sua filha poderia parecer comigo!!” e um pouco mais a frente um outdor com um casal de idosos se beijando “Não é apenas um sonho bobo é? Envelhecer a seu lado!?” e assim que ela cruzou a esquina lulu santos começou a cantar ”Eu te amo calado” e agora os olhos dela iniciaram uma constante de lagrimas. Ela quase encostou para ouvir a musica mas viu mais a frente um outro grupo de jovens... a frente.. no sinal novamente.
Diminuiu a velocidade para poder parar no sinal e ver a faixa.
“Bom saber que não esta correndo, bom saber que esta atenta a tudo... Acho que agora você esta em companhia de um certo lulu que te diz como é a vida... um dia e noite um não e sim...
E eu te amo minha princesa... mesmo,”
Uma menina aproximou-se do carro e ela imediatamente abriu o vidro.
- Tem certas coisas na vida que podem ser melhor com o tempo, e descanso, um bom vinho é aquele que é posto de lado um tempo, e até parece ter sido esquecido, mas na verdade ele estava lá vivo e aprimorando... o amor é assim... você pode deixar ele de lado... mas ele vai sempre estar ali... forte e fermentando. – Dito isso a jovem entregou uma cartinha
“ A gente sempre se preocupa com quem a gente ama, mesmo que as vezes a gente deixe ela ali, no canto, parecendo esquecida, mas a gente faz isso por que sabe que ela precisa desse tempo, eu nunca esqueci você, e quando pensou que tinha esquecido eu estava ali te olhando de longe... te amo muito minha pequena... te amo “
Ela seguiu mais um tempo, nas ruas cruzando esquinas e subindo vias e a cada musica que tocava no radio uma lembrança especial era trazida a mente pelos ouvidos e transformada hora em sorriso hora em lagrimas. Até...
Chegando a frente de seu trabalho, e estacionando o carro ela escuta uma voz familiar.
“hey... linda... A essa hora já deve estar em frente a seu trabalho, isso se o transito for o de sempre, bem mas é isso... eu te acompanhei um pouco hoje, te fiz umas pequenas surpresas mas a verdade é que você me acompanha a muito tempo, nunca esqueci um segundo seu sorriso e nunca deixei de pensar em como te fazer feliz, lembra que certa vez te disse que queria te conquistar todo dia? Ou melhor.. merecer você todo dia? Os bilhetes as faixas e o cd são para ir um pouco mais além...

Você pode passar por esse caminho todos os dias mas nunca mais vai passar por eles como passava antes, hoje cada esquina e sinal tem uma lembrança, talvez você não tenha entendido ainda, mas espero que ainda esteja ai... me ouvindo... e se estiver... por favor... abre o porta mala...”
Ela saiu do carro, caminhou para o porta mala, e assim que abriu, alguns balões subiram amarrados ao porta mala e uma pequena plaquinha escrita.
“Eu não posso viver sem você, casa comigo!?”
Ela olhou assustada a volta e viu atrás dela, ele sorrindo com os olhos vermelhos de sentimentos e enquanto alguns balões subiam para um infinito azul ela respondia a ele que se tornava hoje o homem mais feliz ...

sábado, 1 de outubro de 2011

Lembranças, onde quer que eu vá..

Lembranças são perigosas...
Em certos momentos te motivam a seguir em frente
E no estante seguinte te enchem os olhos delas em estado liquido.
Lembranças são complexas...
Pode passar a vida inteira querendo uma lembrança forte sobre um assunto e quando se tem querer nunca mais lembrar delas...
Lembranças são como crianças.
A gente não pode esperar nada delas, mas elas sempre nos surpreendem com algo vindo “do nada”.
E eu posso dizer..
Eu estou sempre lembrando de você... sempre..