Por que um baú?

Bem, quem acompanha minha tentativa de escrever algo que seja bom ao leitor,vai poder voltar aqui, abrir o baú e ler, pensare espero eu que comente nos textos afinal, esse baú é para guardar pensamentos.
Deixe aqui o seu também.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

A Importância do 1º amor.

Esses dias eu estava pensando, como sempre sobre como a gente age, em relação ao romance e amor. Estava conversando com uma pessoa e ela me falou a frase comum e batida “A gente só ama de verdade uma vez” eu até então concordava com ela, para mim também só se vive um único amor verdadeiro... mas eu me perguntei.. “por que ?” Então eu acho que descobri. Quando somos mais novos, crianças ainda e começamos a conhecer esse sentimento, essa força que é amar, gostar, nos preparamos para ele, esperamos que aconteça, e mesmo que a gente não tenha sido feliz nos “romances” infantis, a gente espera de braços abertos um novo romance, afinal somos jovens infantes que pouco se preocupam com o que vem depois... quando a gente se machuca nesse época basta 5 minutos parado e tudo fica bem de novo. Mas quando a gente cresce, tudo muda de figura. Quando vivemos um grande, o primeiro amor geralmente, a gente esta... digamos assim, nu de magoas, de preocupações e pré conceitos sobre o amor. Então é mais fácil para nós nos entregarmos e vivermos tudo com plenitude, com vontade sem receios, sem medos e magoas. Mas quando, ou melhor, se esse romance acaba de alguma forma, se não foi bom, se por culpa dele a gente cai, se machuca e quebra a cara, ou o coração, os romances seguintes nunca serão os mesmos. A gente parte para o próximo, quando parte, com conceitos de que “doi” do que faz mal, de que pode sofrer e ai como criança que tem medo de altura a gente pouco se arrisca a chegar na borda e ver a beleza total da vista... É normal, a gente aprende com tudo e inclusive com romances e amores, mas acho que é errado dizer que não existe um outro amor verdadeiro, que não podemos viver um ou mais amores na vida... acho que quem limita, quem impede quem não faz o “próximo” amor ser tão forte como o primeiro não é ninguém se não nós mesmos. Eu mesmo, digo por que analisei a mim mesmo, e como quem me conhece sabe, eu sou um cara que se joga nos sentimentos, que vive, mas mesmo assim, mesmo com isso eu percebi que tenho me “jogado” com cautela, antes eu pulava de olhos fechados, depois de um tempo passei a abrir os olhos, depois passei a parar na borda e olhar para ver e depois pular.. e hoje, eu espero muito antes de por a ponta do pé na piscina... Antes pouco me importava se a piscina tinha agua ou não, se a agua estava fria ou se tinha muita gente... eu me jogava e só depois de atingir a agua ou o fundo, eu via como estava a situação Hoje eu percebi que poderia sim ter vivido outros amores bem intensos e fortes, outros romances bem agradáveis e até melhores que o amor que eu julgava ser o mais forte, o mais importante... Não estou desmerecendo as pessoas que vivem unicamente com um romance, muito menos dizendo que estão erradas, o coração é NOSSO e a gente faz dele o que bem quiser. Podemos deixar ele la, arranhado, partido, escondido ou até mesmo ausente por culpa de um romance anterior, ou então podemos por ele no peito, e mesmo com cautela deixar que o romance venha, sem que a gente diga, pense ou evite com a frase “Eu já amei uma vez” A vida é um tempo muito longo, as vezes, muito especial para viver um único romance e passar o resto da vida apenas lembrando de como foi bom... ou não, Acho, acredito.... ou melhor ... eu penso que Romances, amores e paixões são o tempero da vida... As vezes ela esta sem gosto... muito aguada, e um romance pode fazer diferença... imagina se a gente se permitir temperar a vida com não um... mas com alguns amores vividos como se fossem o primeiro!? O primeiro amor é sempre o mais forte por que se viveu sem medo....

Nenhum comentário: