Por que um baú?

Bem, quem acompanha minha tentativa de escrever algo que seja bom ao leitor,vai poder voltar aqui, abrir o baú e ler, pensare espero eu que comente nos textos afinal, esse baú é para guardar pensamentos.
Deixe aqui o seu também.

sábado, 16 de julho de 2011

dilacerado

Rasgou a ultima foto e colocou no saco, nada mais daquilo era importante. Ao menos ele pensou assim enquanto carregava a saca pesada de lembranças doloridas para fora, fotos, cartas, bilhetes tudo.. tudo bem cortado e amontoado em pedaços no saco preto de lixo..
Cd´s de musica, as mesmas que ele gostava de ouvir com ela, DVDs, que viu e não queria mais ver... bilhetes e tudo isso ali... presos ou rasgados como a lembrança dele no saco...
Uma camisa, cinto, meias e até a calça que ele tanto gostava, tudo ali jogado em um saco preto de lixo , mas existem coisas que não cabem em um saco.. e essas também não podem ser rasgadas , e nem amassadas ou postas em um saco qualquer de lixo...
Ele apertou os sacos na pequena caixa e começou a fechar a porta, bichinhos de pelúcia, casacos e tudo apertado ali em um pequeno espaço no lixo... no saco preto de lixo, entradas de cinema, shows tickets de viagem tudo ali... amassados e rasgados em um saco de lixo..
Ele de cabeça baixa pensava, que finalmente tinha se livrado de tudo, tudo então virou-se e caminho por todo o jardim até sua casa. A cada passo forçava se esquecer dela, forçava-e a apagar rasgar as lembranças que ele trazia ali na mente... e agora transbordavam aos olhos... e tudo que pensava era em voltar pra casa e não pensar em mais nada.
As lembranças tornavam difícil caminhar mas, ele pensava, sacudia a cabeça e se forçava a não deixar elas voltarem, era fato que não podia... ela se foi.. ele não poderia ficar ali pensando nela, sentindo o que a muito sonha e não pode conseguir.. sua única esperança era iniciar algo novo começar de novo ... parado frente a porta ele se força a pensar assim...
“nunca mais.. eu me livrei disso... que ela viva a vida dela...que ela siga seus sonhos... “
A porta, abre, a sala escura ele senta-se no sofá e deixa as imagens entrarem ocupando o espaço que ele abriu para novas imagens, memória se lembranças... olhou a sua casa, tudo tão novo, tão vazio ... na tv um filme começa... “500 dias com ela” ele se arrepia e muda de canal.. e baixando a cabeça para o abajur a seu lado vê caprichosamente iluminada uma ultima foto... uma foto apenas... ela sorrindo...
E ele pensa...
Eu nunca vou conseguir te esquecer... nunca ... por mais que eu queira....
Fechou os olhos e deixou todas as lembranças correrem no rosto e lembrar todos os caminhos que antes percorriam....

Nenhum comentário: